Limoeiro alcança os melhores resultados de sua história na Educação

2860

No momento em que Pernambuco supera os 25 Estados mais o Distrito Federal e comemora a liderança na rede pública de ensino a nível nacional, Limoeiro também festeja a segunda colocação geral no ranking da Gerência Regional de Educação do Vale do Capibaribe, alcançando a 21ª posição em todo o Estado. Os números foram divulgados pela Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo de Pernambuco na manhã desta quarta-feira (4), no auditório da sede da GRE (Gerência Regional de Educação do Vale do Capibaribe).

Considerando os Anos Iniciais, houve um salto de 4,63 para 5,45 no IDEPE (Índice de Desenvolvimento da Educação de Pernambuco) e a Princesa do Capibaribe ficou em 21º dentre as cidades pernambucanas. Ainda neste parâmetro, nos Anos Finais, o avanço foi de 3,88 para 4,63, estatística que a deixou em 24º. Estes são os melhores desempenhos do nosso município no IDEPE, que avalia a educação básica do nosso Estado desde 2008.

De acordo com o secretário de Educação e Esportes de Limoeiro, Luiz Gonzaga Tavares Júnior, os resultados positivos são consequências do investimento significativo da gestão em um ensino humanizado e, também, da atenção com os estudantes que tinham maiores dificuldades de assimilação do conteúdo em sala de aula. “No ano passado, o prefeito João Luís demandou para a Educação 40% dos recursos arrecadados. Hoje vemos que este esforço valeu muito a pena”, recordou.

“Na metade do ano letivo de 2017, a pasta teve uma grande preocupação de ouvir todos os técnicos e todos os secretários executivos, onde nós vimos a necessidade da rede de se debruçar sobre os alunos prioritários, aqueles que tinham mais dificuldades de aprender. Para se ter ideia, 1/3 dos estudantes estavam em estado de iminente reprovação. Este projeto de intervenção foi o grande diferencial do nosso trabalho, porque mostrou que o aluno aprovado em Limoeiro teve proeficiência, ou seja, ele passou por média e está aplicando seus conhecimentos no dia-a-dia”, completou.

Luiz Gonzaga ressaltou o mérito dos professores em todo este trabalho. “Sabemos que eles são os grandes responsáveis por esta conquista. Os professores são a base das escolas juntamente com os estudantes. É essa convivência entre professor e aluno que faz a Educação crescer, e hoje o município alcançou seus melhores registros históricos. Também destaco o trabalho dos gestores, que administram este cenário e determinam onde cada profissional vai atuar, papel semelhante, por exemplo, ao do técnico de uma equipe de futebol, que escala os seus jogadores em determinadas áreas do campo”, concluiu.

A gestora governamental da Seplag, Poliana Evas, fez um balanço muito positivo do encontro com os gestores e professores de Limoeiro. “Pelos dados que observamos e apresentamos, vimos que o município de Limoeiro abraçou a política de gestão por resultados com foco no aprendizado do estudante. Ao longo da reunião, pude ver que os números refletem a realidade do município. E saio daqui com o sentimento de que o município vai continuar nesse ritmo de crescimento do aprendizado do estudante para que sejam formados cidadãos mais críticos”, afirmou a servidora, que também atua no Pacto pela Educação em Pernambuco.

A didática adotada e apresentada pelos educadores recebeu elogios de Poliana. “É uma estratégia que funciona muito bem. É o foco no processo, no dia-a-dia das escolas e nos resultados das avaliações internas. A partir disso, são identificados os estudantes com maiores dificuldades e existe uma intervenção ao longo do ano. A pedagogia do projeto consiste em avaliar o interesse do estudante e a realidade que ele vivencia e em transformar tudo isso em matérias associadas aos componentes curriculares. Os professores devem ter a visão e a maturidade de mostrar aos alunos o que há em comum entre os interesses deles e as disciplinas das escolas, para despertarem neles o desejo pelo aprendizado. A gente sabe que o interesse por aprender não existe se não houver um propósito no ensino”, destacou ressaltando que a troca de aprendizado entre os professores e a combinação do fazer pedagógico estão funcionando nas escolas do Estado que têm implementado planejamento e projetos em conjunto.